Mulheres Destaques de Agrestina - Notável acontecimento no mundo “chic” desta terra, (Bebedouro) em 1919 surgiu o “Lyrio.

Ceonila Galvão, uma das idealizadoras do Jornal “Lyrio”(1919), Secretária do Jornal
de Agrestina (1956-1958).  Foto constante no arquivo do Colégio Santo Antônio

O amor às letras fizeram com que jovens senhoritas de Bebedouro tivessem a iniciativa de produzir um jornal local. O jornal surgiu em outubro e foi batizado com o nome “Lyrio”, e, segundo informações constantes no Jornal de Agrestina (1957), as primeiras edições (01 e 02) do jornalzinho de Bebedouro, foram manuscritas em papel pautado. Logo após, Lyrio passou a ser impresso no município de Bonito.

A edição n° 01, provavelmente circulou apenas em Bebedouro, não sabemos se teve um alcance regional, assim como outros jornais locais tiveram. Na manhã do dia 26/10/1919, os bebedourenses letrados, liam a primeira edição do semanário noticioso e literário Lyrio. Apesar das pesquisas realizadas, não cheguei a ter acesso a um exemplar do referido jornal, porém, a parte que transcrita abaixo trata-se de textos do “Lyrio” que anos após foi republicado na seção “Nossa Terra Nosso Passado” do Jornal de Agrestina.

Algo que merece destaque neste jornal é o protagonismo feminino, razão pela qual o artigo da série Mulheres Destaques de Agrestina, faz hoje menção ao jornal. Diferentemente de outros jornais, publicados na época, incluindo-se os demais jornais publicados em Bebedouro(Agrestina), este jornal foi idealizado e dirigido apenas por mulheres. Figuram como diretoras e idealizadoras do mesmo, as jovens: Leonila Cabral Varejão, Haydéa Pinheiro (foi professora municipal; em sua homenagem a Escola existente no Sítio Variante recebeu seu nome, esta pelo menos não ficou esquecida na história), Adalcina Queiroz e Ceonila Galvão (professora e diretora do Ginásio Industrial Santo Antônio, hoje Colégio Santo Antônio; Ceonila, na época da circulação do Jornal de Agrestina era a secretária do referido jornal).

Provavelmente, deve-se a Ceonila Galvão, à menção ao jornal Lyrio, feita anos depois no Jornal de Agrestina (1957), fonte de pesquisa que utilizei para produção deste artigo. Na primeira edição, sob o título “Surgindo”, em outubro 1919, as jovens justificavam o nascimento do jornal. Vale a pena conferir:

Os progressos que se vem acentuando nesta localidade, os grandes empreendimentos que se vem de notar no mais frágil traço da vida bebedourense deram em monta não ficássemos por mais tempo na densa nuvem de obscurantismo, a julgar pela necessidade que se fazia mister entre nós, de um jornalzinho embora com proporções mignons, porém que fosse o arauto de nossas ideias lá fora.

E assim que um grupo de senhoritas gentis, num desses momentos que se parece possuído de um grande jacto de luz, teve por bem a fundação do “Lyrio” e eis consubstanciada em doce realidade a feliz ideia de que há muito vimos acalentando. É verdade que muito tem a desejar nosso jornalzinho, porém confiamos em breve poder dota-lo do que mais se recente, atendendo não só a nossa divisa o brocardo francês: Petit a petit, L'oiseau fait sonnid. (“Pouco a pouco, o pássaro constrói seu ninho” tradução: googletranslate)

A repercussão sobre a criação do Lyrio(1919), foi matéria da segunda edição que circulou em 02/11, e Halidéia Rios, provavelmente um pseudônimo usado por Haydeia Pinheiro, destacou a impressão causada na sociedade de Bebedouro com a edição do Lyrio: “foi um notável acontecimento no mundo “chic” desta terra o surgir do “Lyrio”. Vê-se abaixo um artigo que foi publicado na 2ª edição do “Lyrio”

“Não eram poucos os que se mostravam desejosos de o ler.
Logo aos primeiros albores do dia, quando a passarada entoara o seu canto divinamente harmonioso e o velho bronze de nossa matriz convidavam os fieis para o santo sacrifício da Missa, já havia quem bebesse com delícia por intermédio dos órgãos visuais, as páginas amenas do nosso semanário. Os comentários surgiram, felizmente uníssonos em aplausos.
Francamente achamos no “Lyrio” um bom começo. As grandes iniciativas não começam grandes; tem a sua infância, a sua época embrionária. É portanto justamente o que se nota no nosso jornalzinho, que muito ainda pode subir, basta somente que não se faça esquecida a ação latente a vida, a seiva que lhes poderão emprestar as nossas gentis companheiras de cruzada, os dignos rapazes desta vila e enfim o povo de Bebedouro que deseja o levantamento moral e intelectual desta terra.”

Não sabemos o período de duração do Lyrio, no arquivo público estadual, devem se encontrar exemplares da 1ª e 2ª edição do mesmo. Talvez a dificuldade em garantir recursos para sua impressão, problemas com a gráfica responsável pela impressão que era sediada em Bonito, tenha desestimulado as jovens senhoritas. Mas, a iniciativa e pioneirismo das mesmas, demonstraram o seu amor às letras, bem despertou em muitos o desejo pelo engrandecimento de Bebedouro (Agrestina), a estas a série Mulheres destaques, registra nossas homenagens.


Amanhã 05.03 daremos continuidade a esta série especial, traremos algumas novidades e estaremos homenageando as irmãs Pinheiro de Barros, pioneiras que foram no comércio e na política em Bebedouro.

Por Paulo Junior / Professor e Historiador

Mulheres Destaques de Agrestina - Notável acontecimento no mundo “chic” desta terra, (Bebedouro) em 1919 surgiu o “Lyrio. Mulheres Destaques de Agrestina - Notável acontecimento no mundo “chic” desta terra, (Bebedouro) em 1919 surgiu o “Lyrio. Reviewed by Adriano Monteiro on 4.3.17 Rating: 5

Nenhum comentário

Sua opinião é muito importante para nós. Conte-nos algo sobre a matéria!