Em coletiva, vereadores investigados tentam se explicar

Foto: Wagner Gil
Logo após coletiva de imprensa com a Polícia Civil em Caruaru, a respeito da Operação Ponto Final, que investiga um suposto esquema de concussão de 10 vereadores caruaruenses, houve a coletiva dos acusados, no Hotel Eduardo de Castro. O primeiro edil a se pronunciar foi Evandro Silva (PMDB).

“Eu fui uma mesma oposição, quer dizer que fiz isso pra ganhar alguma coisa?”, questionou. O vereador garantiu ser inocente. “A inocência minha é total. Não há nada que incrimine do recebimento da propina. O próprio prefeito disse isso”, desabafou.

Evandro, aliás, deu a entender que o processo de investigação teria se desenrolado de forma mais fácil porque a maioria dos vereadores faz oposição. “Há pouco mais de 60 dias eu disse na Tribuna que Caruaru não precisava de casa legislativa, pois não o prefeito não aceita oposição”, continuou.

Ele citou ainda que analisou o projeto do BRT, cuja votação é um dos pontos investigados pela polícia. “Quanto ao BRT, havia irregularidades que identificamos no empréstimo para o projeto. Nós criamos a CPI do projeto, e pedimos informações sobre os limites desse empréstimo. Nós questionamos o projeto. Nós não tivemos direito à defesa”, completou.

Evandro e os outros nove vereadores estão com suas atividades de vereador suspensas por 180 dias.


Em coletiva, vereadores investigados tentam se explicar Em coletiva, vereadores investigados tentam se explicar Reviewed by Adriano Monteiro on 28.12.13 Rating: 5

Nenhum comentário

Sua opinião é muito importante para nós. Conte-nos algo sobre a matéria!