Perito Molina confirma: Sarney votou em Aécio Neves

Especialista, que atua em Campinas (SP), disse que filmagem com votação do ex-presidente não sofreu manipulações

Embora o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) tenha negado com todas as letras - inclusive em nota oficial - que votou no tucano Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições presidenciais, o perito Ricardo Molina, a pedido do iG, confirmou que as imagens que mostram a votação não sofreram trucagens e são autênticas.

Veja o voto polêmico de Sarney:



Molina dividiu a análise em três fases. Na primeira, comparando o vídeo de corpo inteiro com um recorte mais fechado na urna eletrônica (veja reprodução abaixo), ele observa que "trata-se da mesma filmagem, ou seja, a ampliação, na qual não há dúvidas de que o voto é 45, foi processada a partir do mesmo vídeo.

Perito comparou frames e disse que ampliação
e momento do voto são o mesmo vídeo;
político se defendeu dizendo ser montagem
A seguir, na imagem abaixo, o perito mostra, a partir do vídeo original, uma sequência de frames que mostram o voto de Sarney no 45. "Não é possível discernir os números, mas é possível verificar que o dedo está na altura do 45 e que a gravação é a mesma da ampliação", atesta o perito.

Sequência de frames no voto: 'É possível verificar
que o dedo está na altura do 45 e que a gravação
é a mesma da ampliação'

Quando o vídeo é exibido em câmera lenta, para o perito fica claro que é o voto é no 45; observe-se que logo depois aparece quadro com Aécio e Aloysio e texto "FIM", mostrando que é o voto para presidente", conclui.

Veja abaixo o vídeo em câmera lenta:


Questionado sobre a possível manipulação, Ricardo Molina descarta a tese. "Uma montagem com manutenção de tantos detalhes seria praticamente impossível. Minha opinião é que é autêntica". Para ele, só o vídeo original poderia dirrimir definitivamente qualquer dúvida, já que a resolução, quando o vídeo é veiculado no Youtube, perde qualidade. "É evidente que há uma gravação que derrubaria qualquer dúvida (a gravação do cinegrafista), mas já foi inclusive tirada do ar. A TV Amapá chegou a veicular, mas tirou", explicou.

Por Anderson Passos / iG

Rendimento da poupança fica mais atrativo

Aumento da Selic, os juros básicos da economia, melhora rentabilidade da caderneta, frente a alguns fundos

Com a alta da taxa básica de juros, de 11% para 11,25%, anunciada nesta quinta (30) pelo Banco Central (BC), a poupança passou a render mais que fundos de renda fixa com taxas de administração superiores a 2,5% ao ano. A constatação é da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

Com isso, a recomendação é que investimentos menores sejam direcionados à caderneta, já que o custo dos fundos tende a subir quando o volume aplicado é pequeno.

O aumento da Selic beneficia os dois tipos de investimento.

No caso da poupança, influencia a taxa referencial (TR), que é acrescida ao rendimento fixo de 0,5% mensais.

Segundo a Anefac, a caderneta passará a ter retorno de 0,58% mensais com a taxa básica a 11,25% ao ano desempenho superior aos 0,56% que vinha sendo obtido com a Selic a 11% ao ano. Mas leva vantagem em relação à renda fixa, pois é isenta de Imposto de Renda (IR) e não paga taxa de administração.

Pela simulação da associação, um investimento de R$ 10 mil renderia, na poupança, 7,19% ao ano, indo, em um ano, para R$ 10.719. Caso o mesmo montante fosse aplicado pelo mesmo período em um fundo com taxa de administração de 1,5%, o valor final seria maior, de R$ 10.744. Já o mais caro dos investimentos, com taxa de administração de 3%, iria para apenas R$ 10.604.

“Dependendo da taxa de administração cobrada, para pequenos valores, a poupança vai ganhar”, explica Miguel Ribeiro, coordenador de pesquisa e diretor-executivo da Anefac.




O estudo da associação mostrou ainda que, apesar de a alta de juros ter como objetivo frear o consumo, o efeito do aumento de 0,25 ponto percentual sobre os juros ao consumidor é pequeno. Com a nova Selic, os juros do cartão de crédito, até então em 10,78% ao mês, sobem para 10,8%, em média. Com isso, usar R$ 3 mil do crédito rotativo por 30 dias, que custaria R$ 323,40 com a Selic antiga, passaria a custar R$ 324, uma diferença de apenas R$ 0,60.

Para empresas, o efeito também é pequeno. Na simulação de um empréstimo de capital de giro de R$ 50 mil, com prazo de 90 dias, os juros pagos, com a Selic em 11%, seriam de R$ 2.873,35 e, com a nova taxa, passam a R$ 2.904,49, diferença de R$ 31,14. Segundo a Anefac, isso ocorre porque existe uma diferença grande entre a taxa básica e as taxas cobradas no mercado, que registram variação de mais de 800% entre as duas pontas.

“Não é isso que vai desmotivar o consumidor a fazer ou não financiamento. O consumidor, de certa forma, já está com menor intenção de gastos por preocupação com o futuro, com medo desse ambiente todo. Não podemos esquecer que tivemos outras elevações. Se fosse só essa elevação não faria nenhuma diferença”, explica Ribeiro.

ABr

Fundo para educação prorroga prazo para renovação do Fies

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) prorrogou para o dia 30 de novembro o prazo para renovação semestral dos contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) firmados no segundo semestre de 2013 e no primeiro e segundo semestres de 2014.

Os estudantes devem fazer o aditamento de contrato online pelo Sistema Informatizado do Fies (SisFies). A medida está em portaria divulgada hoje (31) no Diário Oficial da União.

O Fies é destinado à concessão de financiamento a estudantes regularmente matriculados em cursos superiores privados, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação. O programa oferece cobertura de 50% a 100% do valor da mensalidade e juros de 3,4% ao ano. O contratante só começa a quitar o financiamento 18 meses depois de formado. O número de contratos formalizados desde 2010 já passa de 1,1 milhão.

ABr

Deputados e prefeitos em 2016

Por Magno Martins

Dos 49 novos deputados estaduais eleitos, pelo menos 19 têm projeto para entrar na disputa municipal em 2016. Na prática, mais de um terço dos novos parlamentares querem governar seus municípios. Em Caruaru, os dois mais votados – Tony Gel (DEM) e Raquel Lyra (PSB) – devem brigar pelo poder local.

Em Petrolina, os três estaduais eleitos para representar o município também são pré-candidatos a prefeito: Odacy Amorim (PT), que já se lançou, Lucas Ramos (PSB) e Miguel Coelho, que disputarão a preferência do partido. No Cabo, a disputa deve ser polarizada entre o deputado estadual eleito Lula Cabral (PSB) e o federal eleito Betinho Gomes (PSDB).

Já a presidente estadual do PT, a deputada reeleita Teresa Leitão, é, desde já, a preferida do seu partido para disputar a Prefeitura de Olinda, enquanto Rodrigo Novaes, também reeleito pelo PSD, deve disputar a Prefeitura de Floresta. Já Augusto César, também reeleito pelo PTB, deve concorrer em Serra Talhada.

Novato na Assembleia, o deputado eleito Nilton Mota (PSB) é o candidato natural do partido a prefeito de Surubim, enquanto Beto Acioly (SD) pensa em disputar a Prefeitura de Camaragibe. Também reeleito, o deputado Ângelo Ferreira tende a disputar a Prefeitura de Sertânia, enquanto Eduino Brito, do PHS, tende a entrar na briga pela Prefeitura de Arcoverde.

Outros prováveis candidatos: Joel da Harpa (PROS), em Jaboatão, Cleiton Collins, também Jaboatão, Ricardo Costa, em Olinda e João Eudes em Pesqueira. Isso sem falar na briga pela Prefeitura do Recife, cujo cenário pode atrair os deputados Edilson Silva (PSOL) e Priscila Krause (DEM).

Blog do Magno Martins

Engavetador da corrupção tucana é processado


O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) abriu processo disciplinar contra o procurador da República Rodrigo de Grandis por manter engavetado por quase três anos um pedido de investigação da Suíça sobre o caso Alstom em gestões tucanas.

Em 2011, o Ministério da Justiça, chefiado por José Eduardo Cardozo, também cobrou, em pelo menos três ofícios, que De Grandis respondesse à solicitação sobre a investigação que envolve pagamento de propina da multinacional francesa e outras empresas a políticos do PSDB. 

O pedido da Suíça incluía buscas na casa de João Roberto Zaniboni, que foi diretor da estatal CPTM entre 1999 e 2003, nos governos do PSDB de Mário Covas e Geraldo Alckmin.

No entanto, o procurador, contudo nada fez para ajudar os colegas suíços em dois anos e oito meses. Ele alegou "falha administrativa", dizendo que o documento havia sido colocado incorretamente em uma pasta de arquivo. 

O corregedor do CNMP interpretou o caso como "violação, em tese", dos deveres de "cumprir os prazos processuais", "desempenhar com zelo e probidade as suas funções" e "adotar as providências cabíveis em face das irregularidades de que tiver conhecimento ou que ocorrerem nos serviços a seu cargo".

BR 247

Claro, Vivo e Oi fecham acordo para comprar a TIM e reparti-la em três

As operadoras Claro e Vivo fecharam acordo com o banco BTG Pactual para, junto com a Oi, comprar a TIM Brasil, a segunda maior empresa do mercado brasileira, e reparti-la em três.

O valor não está fechado, mas pode chegar a R$ 31,5 bilhões, o maior negócio no setor no país. São cerca de R$ 30 bilhões, mais um prêmio de 5% pago aos acionistas, incluindo minoritários.

A Folha apurou que será feita uma oferta aberta aos acionistas da Telecom Italia, dona da TIM Brasil, que decidirão em assembleia.

Os principais acionistas, como a francesa Vivendi, tendem a aceitar. Ainda não está definido o que acontece com os clientes.

A entrega da proposta está condicionada à venda, por parte da Oi, da Portugal Telecom (PT) em Portugal, um negócio que deve ser fechado na próxima semana.

Segundo apurou a reportagem, cinco são os interessados. Entre eles estão duas operadoras –a francesa Altice é uma delas– e três fundos de investimento.

O valor dessa transação será de cerca de € 7 bilhões (R$ 22 bilhões), já descontando a dívida e incluindo um prêmio pelo controle. Com o dinheiro, a Oi reduzirá seu endividamento para bancar sua parte na oferta pela TIM.

Folha de S. Paulo